PUBLICIDADE
publicidade Aruska
PUBLICIDADE
publicidade Internas 3 banner Abaixo Menu

Família do técnico Caio Júnior quer R$ 30 milhões de indenização da Chapecoense

Parentes do treinador morto na tragédia de Medellín acreditam que houve negligência da Chapecoense no acidente
Fábio Barbosa  |  05/04/2017
noticia Família do técnico Caio Júnior quer R$ 30 milhões de indenização da Chapecoense
noticia Família do técnico Caio Júnior quer R$ 30 milhões de indenização da Chapecoense

A família do técnico Caio Júnior, morto no acidente aéreo com a delegação da Chapecoense no último mês de novembro, decidiu que vai protocolar uma ação na Justiça para pedir indenização do clube catarinense. O valor gira na casa dos R$ 30 milhões.

Essa quantia foi calculada com base em entendimentos já consolidados de tribunais sobre o assunto, segundo informou à "Folha" Luiz Fernando Pereira, advogado que está cuidando deste caso. A regra é considerar a expectativa de vida do ex-comandante da Chapecoense e a sua última média salarial.

"O cálculo leva em conta que o clube tem que pagar pelo menos 70% do que o Caio Júnior ganharia se vivesse até a expectativa devida, que são mais 20 anos, além de danos morais", comentou Pereira. O treinador recebia cerca de R$ 120 mil por mês, considerando os direitos de imagem e o contrato CLT.

A avaliação dos familiares de Caio Júnior é de que houve negligências por parte da Chape ao contratar o fretamento do voo para o local da partida diante do Atlético Nacional.

Mais processos contra a Chape

Além dos parentes do técnico, algumas viúvas de jogadores mortos na tragédia em Medellín, na Colômbian também abriram processos judiciais contra a Chape, pedindo altas quantias em dinheiro. Vale lembrar que o próprio clube de Santa Catarina e a CBF já pagaram indenizações de seus seguros aos atletas.

"Já tem um bom tempo do acidente. As famílias devem abrir mão de buscarem seus direitos em nome da prosperidade do clube?", questionou o advogado. "Além disso, a Chapecoense foi negligente em não examinar essas questões, que eram básicas para a contratação de um voo", finalizou Luiz Fernando Pereira.

O avião que levava a delegação da Chapecoense para Colômbia caiu poucos quilômetros antes de pousar. Das 77 pessoas que estavam à bordo, apenas seis sobreviveram: os jogadores Neto, Alan Ruschel e Jackson Follmann, o jornalista Rafael Henzel e dois membros da tripulação.

PUBLICIDADE