PUBLICIDADE
publicidade Câmara Municipal de Poço de José de Moura
PUBLICIDADE
publicidade Geral

Mais de 100 medicamentos devem sair das prateleiras na PB; veja lista

MP-Procon da PB divulgou listas com 72 medicamentos e 35 produtos que são alvos do recall
Fábio Barbosa  |  04/07/2017 17:31
noticia Mais de 100 medicamentos devem sair das prateleiras na PB; veja lista
noticia Mais de 100 medicamentos devem sair das prateleiras na PB; veja lista

O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público da Paraíba (MP-Procon) divulgou nesta terça-feira (4) listas com 72 medicamentos e 35 produtos com supostos fins terapêuticos alvos do recall. A divulgação da lista aconteceu durante uma audiência na qual também foi expedida a recomendação conjunta aos representantes do Sindicato das Empresas do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos e do Sindicato das Empresas Distribuidoras de Medicamentos.

Esses medicamentos devem ser retirados do mercado por problemas em seus lotes, que oferecem riscos ao paciente. 'Bicarbonato de sódio', 'Amoxicilina', 'Dornasol', 'Floxicam', 'Hidroclorotiazida', 'soro antitetânico' e 'Gynera' são alguns desses medicamentos. Estão disponíveis no site do Ministério Público da Paraíba, duas listas, uma com nome, lote, data de validade, laboratório do medicamento que deve ser retirado e também informações sobre a ação de fiscalização, o motivo da retirada e resolução específica. E outra sobre produtos que não apresentam registro, sendo produzidos por empresas sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou que têm divulgação irregular.

A recomendação foi expedida na sede do MP-Procon, em João Pessoa, pelo órgão ministerial, Vigilâncias Sanitárias do Estado e do Município de João Pessoa, Conselhos Regionais de Medicina e Farmácia, Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PB) e Sedes do Procon na Capital, Bayeux e Cabedelo. José Ricardo, presidente do Conselho Regional de Farmácia, alertou sobre os riscos que medicamentos com defeito representam e o cuidado que se deve ter para transporta-los. “É preciso haver maior controle quanto à forma de transporte dos medicamentos. Muitos deles são transportados em altas temperaturas que acabam por alterar a qualidade desses medicamentos”, destacou.

Farmácias e distribuidoras que se opuserem ao recolhimento estarão sujeitos a sanções que vão de multa a prisão. Em dois anos, a Anvisa determinou o recolhimento de mais de 160 medicamentos do mercado por falta de qualidade, segundo dados levantados pelo MPPB. As principais causas que motivam o recolhimento no Brasil são: resultado insatisfatório nos ensaios de aspecto e descrição da amostra (27%); problemas na embalagem, como erros de impressão e trocas de informação (21%); resultado de inspeção sanitária insatisfatório (11%) e presença de corpo estranho no medicamento (10%).

VEJA A LISTA

MP-PB

PUBLICIDADE