PUBLICIDADE
publicidade Câmara Municipal de Poço de José de Moura
PUBLICIDADE
publicidade Geral

Fabricantes vão alterar composição de vacina contra febre aftosa até 2018

Mudanças na vacina contra aftosa foram solicitadas por entidades do agronegócio
Fábio Barbosa  |  25/07/2017 12:47
noticia Fabricantes vão alterar composição de vacina contra febre aftosa até 2018
noticia Fabricantes vão alterar composição de vacina contra febre aftosa até 2018

Fabricantes de vacina contra a febre aftosa no Brasil aceitaram fazer alterações na composição e volume de dose de imunização da vacina, atendendo demanda da cadeia produtiva, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), entidade que reúne essas empresas. As mudanças, em três etapas, deverão começar já no próximo mês e serão concluídas até novembro de 2018.

As mudanças na vacina foram solicitadas em documento que seis entidades do agronegócio encaminharam no dia 10 deste mês ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O próprio ministério atribuiu a decisão do governo norte-americano de suspender a importação de carne brasileira à existência de abcesso causado pela aplicação da vacina contra a aftosa e determinou a exportação de carne fatiada para contornar o problema.

A primeira mudança, de acordo com o sindicato dos fabricantes, já vai ocorrer no próximo mês: o início da fabricação de vacina contra aftosa bivalente (vírus O 1 e A24), com a retirada do vírus C, já erradicado do Brasil. Já a partir de maio de 2018, a indústria passará a produzir vacina com 2 mililitros (ml), em substituição à atual, de 5 ml. Além disso, os fabricantes iniciaram o processo de retirada do adjuvante saponina, da composição da nova vacina, que estará disponível na campanha oficial de vacinação de novembro de 2018.

A retirada da saponina estava entre as alterações solicitadas pelo agronegócio. As instituições relacionam a substância “à exacerbada irritação no local da aplicação, que se agrava até casos de edema e severa reação inflamatória, com consequente ocorrência de abscessos [nódulo inchado cheio de pus]”. A existência de abcesso em carne brasileira teria sido um dos motivos de suspensão das importações anunciadas em 22 de junho passado pelo governo norte-americano.

Além do documento enviado ao Mapa, os produtores e de entidades representativas do setor agropecuário também se reuniram com as indústrias fabricantes. "Houve uma reunião na semana passada na qual foi reafirmado pelos produtores e pela indústria a necessidade de alterações no processo de produção da vacina, na dose e via da forma de aplicação", diz o consultor de Defesa Sanitária da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Décio Coutinho.

O anúncio da nova vacina ocorreu durante a 6ª Reunião Extraordinária da Comissão Sul-Americana para a Luta contra a Febre Aftosa (Cosalfa), realizada em Brasília, nos dias 20 e 21 de julho de 2017.

Banco de antígenos

Também na reunião, foi decidida a criação de um banco de antígenos e vacinas contra a febre aftosa na América Latina. O Brasil é o primeiro país da região a aderir oficialmente à iniciativa. "Essa é uma ferramenta fundamental para iniciar o processo de retirada de vacinação da aftosa em qualquer país das Américas. É um instrumento que os países precisam ter em suas mãos a partir do momento que fizerem a retirada da vacina de febre aftosa", diz Coutinho. O banco permitirá enfrentamento de problemas que podem surgir com a retirada da vacina no Brasil, além de contribuir para aquelas nações que não tenham, à disposição, doses do produto em quantidade suficiente para imunizar seus rebanhos.

O vírus da febre aftosa é altamente contagioso. O animal afetado apresenta febre alta que diminui após dois a três dias. Em seguida, aparecem pequenas bolhas que se rompem, causando ferimento. O animal deixa de andar e comer e, no caso de bezerros e animais mais novos, pode até morrer. A transmissão pode ocorrer por meio da ingestão de água e alimentos que estejam contaminados pela saliva de animais doentes. O vírus é resistente, podendo sobreviver durante meses em carcaças congeladas. Segundo o Mapa, o Brasil é um país livre da febre aftosa com vacinação.

Os representantes dos países que compõem a Cosalfa aprovaram ainda resoluções para apoiar a Colômbia na erradicação de quatro focos de aftosa detectados recentemente e para realizar uma ação integrada entre o Brasil e a Colômbia na Venezuela. O objetivo é apoiar os venezuelanos a imunizar e inspecionar o rebanho bovino contra aftosa e fazer exames sorológicos. A Venezuela ainda não é livre da doença e está disposta a receber a ajuda, acrescentou Marques.

Erradicação da aftosa

A previsão é de que todo o Brasil seja reconhecido como país livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) em 2023, como já ocorre com a área de Santa Catarina. “Isso trará uma mudança muito grande para o Brasil na questão do mercado internacional”, disse o ministro Blairo Maggi, em entrevista na semana passada. "A partir do momento em que o Brasil estiver livre, o mundo se abre. Podemos começar a exportar carne com osso, produtos que não fazemos hoje. É de interesse do governo brasileiro, da pecuária, da sociedade".

A Cosalfa foi criada em 1972, durante a V Reunião Interamericana de Nível Ministerial sobre o Controle da Febre Aftosa e Outras Zoonoses (RICAZ V). O objetivo da comissão é avaliar o andamento dos programas nacionais de controle e erradicação da febre aftosa na América do Sul, garantindo a integração regional das ações de intervenção. Os 13 países-membros são Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Venezuela e Uruguai.

Agência Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
publicidade Quatro Internas