PUBLICIDADE
publicidade Câmara Municipal de Poço de José de Moura
PUBLICIDADE
publicidade Geral

Wilson Filho justifica ausência na votação de denúncia contra Temer

Parlamentar uiraunense disse que, caso estivesse no Brasil, seguiria a orientação partidária e rejeitaria o afastamento do presidente
Fábio Barbosa  |  03/08/2017 14:03
noticia Wilson Filho justifica ausência na votação de denúncia contra Temer
noticia Wilson Filho justifica ausência na votação de denúncia contra Temer

Problemas na conexão do voo dos Estados Unidos ao Brasil impediram que o deputado federal Wilson Filho (PTB) chegasse a tempo para votação da última quarta-feira (2), na Câmara dos Deputados. O deputado chegaria na manhã do dia 2 para participar da votação, porém a sessão, que se iniciaria à tarde, teve sua antecipação para às 9 horas, somado ao considerável atraso na conexão por um período de 7 horas, acabaram por comprometer a sua volta a tempo. Sua chegada se deu ainda na quarta, às 23h30.

Wilson Filho lamentou não ter participado da sessão que avaliou a admissibilidade de denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), encaminhada pelo procurador-geral da República a Casa (SIP 1/17). A Câmara dos Deputados negou a autorização para o chefe do Executivo do País ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

O parlamentar disse que, caso estivesse no Brasil, seguiria a orientação partidária e rejeitaria o afastamento do presidente, votando a favor do relatório do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que pediu a rejeição da denúncia.

“Não há provas suficientes, juridicamente falando, que embase a abertura de investigação. Apesar da mídia noticiar muitos acontecimentos, eu li toda a denúncia e as provas não foram colocadas no documento. Mesmo a significativa impopularidade do Presidente não pode servir como prova jurídica para seu afastamento. Ele será investigado e julgado pelos seus supostos erros após o fim do mandato, não havendo impunidade caso ocorra culpa e danos comprovados”, comentou.

Para Wilson Filho, o País vem conseguindo superar gradativamente a crise financeira, a partir das medidas adotadas pelo governo. Na opinião do deputado, o afastamento do presidente nesse momento afetaria diretamente a economia brasileira, causando instabilidade e provocando uma maior distensão social e política. “O povo não gosta do Presidente Temer porque a economia ainda não voltou a ter pujança. A população quer empregos, oportunidades, a solução dos seus problemas, a funcionalidade do governo e que as suas vidas melhorem. Precisamos dar resposta a isso imediatamente”, finalizou.

MaisPB

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
publicidade Quatro Internas