PUBLICIDADE
publicidade Câmara Municipal de Poço de José de Moura
PUBLICIDADE
publicidade Geral

Serra recebeu 2 milhões de euros via caixa dois, diz ex-presidente da Odebrecht

Informação consta de delação premiada do ex-presidente da empreiteira. Valor corresponde a R$ 5,4 milhões. Serra nega ter cometido irregularidades
Fábio Barbosa  |  10/04/2017 16:51
noticia Serra recebeu 2 milhões de euros via caixa dois, diz ex-presidente da Odebrecht
noticia Serra recebeu 2 milhões de euros via caixa dois, diz ex-presidente da Odebrecht

Antes mesmo do levantamento do sigilo das mais recentes delações premiadas da Operação Lava Jato,  o ex-presidente do grupo Odebrecht Pedro Novis afirmou em delação premiada que repassou € 2 milhões (euros), via caixa dois, ao senador José Serra (PSDB-SP) a partir de 2006, quando o tucano foi eleito governador de São Paulo. O montante, segundo o relato, foi depositado entre 2006 e 2007 em contas na Suíça indicadas por José Amaro Pinto Ramos, empresário ligado ao PSDB. Na correção da moeda europeia com base nos valores cambiais daqueles anos, o valor total corresponde transferido para Serra chega a R$ 5,4 milhões.

Segundo o jorna Folha de S.Paulo, que publica a notícia neste domingo (9), Pedro Novis declarou que não foi exigida qualquer contrapartida do político tucano – como defesa de interesses da empresa por meio de projetos no Congresso ou interferência para que o grupo vencesse licitações com a Petrobras, por exemplo. Por meio de seu advogado, o empresário José Amaro disse ao jornal paulista que recebeu € 1,2 milhão da Odebrecht na Suíça no período mencionado, mas alegou que o dinheiro custeou serviços de consultoria prestados à empresa – estudos de viabilidade econômica para projetos da empreiteira na Argélia, na Turquia e no Uruguai, nenhum de fato executado.

Em 28 de outubro de 2016, a Odebrecht apontou aos investigadores da Lava Jato dois nomes de intermediários que desempenharam a função de operadores do então ministro de Relações Exteriores para receber R$ 23 milhões, também por meio de caixa dois, na campanha presidencial do senador tucano em 2010. Segundo relato de executivos da empresa, parte da quantia foi paga por meio de transferências para uma conta bancária suíça. A negociação, segundo depoimento dos executivos, foi feita com o ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho, que pertencia ao PSDB à época, mas atualmente está no PSD. O ex-deputado federal Márcio Fortes (PSDB-RJ), próximo ao ministro e conhecido como homem forte de arrecadação entre o tucanato, também teria participado do esquema.

Em 2006, lembra a Folha, a campanha de Serra não registrou qualquer doação eleitoral da Odebrecht. Na ocasião, o tucano declarou à Justiça eleitoral ter gastado R$ 25,9 milhões nas eleições gerais daquele ano. Já no pleto presidencial de 2010, a empreiteira doou a Serra, segundo delatores do grupo, R$ 23 milhões via caixa dois. Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registram um valor muito abaixo disso: R$ 2,4 milhões doados pela empreiteira ao candidato tucano naquele pleito. Portanto, se as acusações forem comprovadas, o senador recebeu ao todo R$ 25,4 milhões em doações de campanha da Odebrecht, dos quais R$ 23 milhões via caixa dois.

Outro lado

Por meio de nota, Serra negou as acusações e disse que suas contas de campanha foram operadas dentro da legalidade. Por meio de sua assessoria, o tucano garante que “não cometeu nenhuma irregularidade e que suas campanhas foram conduzidas pelo partido, na forma da lei”.

O senador diz ainda que “enquanto não forem abertos os sigilos dos depoimentos dos delatores investigados, é impossível apresentar qualquer comentário ou defesa, pois não se pode confirmar sequer o conteúdo das informações”.

Congresso em Foco

PUBLICIDADE