GERAIS

PCMG esclarece crime que chocou Aimorés e MPMG denuncia homem de 52 anos

Um homem de 52 anos foi denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) nesta quinta-feira (21/10) pelo assassinato do sobrinho de sua ex-esposa, ocorrido em 13 de setembro deste ano, em Aimorés, no Vale do Rio Doce. Este homem está sendo acusado de ser o mandante do homicídio triplamente qualificado, que, segundo as investigações da Polícia Civil de Minas Gerais, foi praticado por motivo torpe, mediante pagamento de recompensa e com emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima.  
 
O crime ocorreu por vingança, tardia, porque a vítima, na época em que era adolescente e morava com o casal e a prima, filha dos tios, em Niterói, RJ, sempre intercedia para defendê-la das agressões praticadas pelo denunciado.
 
Nas investigações, ficou claro que a convivência do grupo familiar era conturbada, devido à violência doméstica praticada por este homem contra a esposa e a filha, que, inclusive, foi expulsa de casa por ele. 
 
O MPMG também acusa um homem de 30 anos de ter executado o crime, e outro, de 32 anos, de ter intermediado o contato entre o mandante e o autor do assassinato. O trio, que morava no estado do Espírito Santo, à época do fato, foi denunciado também responderá por associação criminosa, além do homicídio.
 
O acusado de ser o executor ainda responde por adulteração da placa do veículo usado no crime. Atualmente, os três acusados se encontram presos, por terem se unido para cometer o crime.
 

A trama criminosa

 
Tudo começou, segundo as investigações, com o intermediador indicando ao mandante uma pessoa para assassinar seus desafetos. A primeira vítima seria o sobrinho da ex-esposa. O trio teria, inclusive, em algumas ocasiões, ido a Aimorés para mostrar ao contratado o alvo deste assassinato.   
 
Na ocasião, segundo o MPMG, o intermediador e o contratado teriam ido à loja de celular da vítima a pretexto de consertar uma peça de telefone, enquanto isso, o acusado de ser o mandante permanecia num veículo parado nas imediações.
 
“Nessa viagem, os denunciados ainda teriam sacado, numa agência bancária local, parte do valor combinado para a execução do crime. Além desses detalhes, a polícia apurou que o autor do delito teve o carro consertado e recebeu uma arma dos outros denunciados para cometer o homicídio”, informou o MPMG. 
 

Câmeras filmaram o crime  

 
Câmeras de segurança próximas à casa da vítima filmaram o crime. Nas imagens é possível ver o executor saindo do carro, que estava com a placa adulterada com fita adesiva, efetuando os disparos e voltando ao veículo. Em seguida, ele dirige até sua residência em Santa Maria de Jetibá, no ES.
 
No trajeto, ele retirou o adesivo que impedia a identificação do carro. Mas foi com essas imagens que as polícias de Minas e Espírito Santo localizaram e efetuaram a prisão do acusado. Ao ser questionado, ele informou onde estava a arma do crime, apreendida pelos policiai­­­s.  
 
O promotor de Justiça Rômulo Cheguevara Gandhi Costa Pereira, ao oferecer a denúncia, pede, além da condenação dos acusados por homicídio triplamente qualificado, que eles sejam sentenciados a pagar indenização aos sucessores da vítima pelos danos materiais e morais causados com o assassinato.
 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM