GERAIS

Adolescentes dormiram mais e melhor durante a pandemia, aponta estudo

A flexibilidade das aulas online melhorou a qualidade do sono dos adolescentes durante a pandemia do coronavírus, segundo estudo conduzido na Universidade Federal do Paraná.
A investigação começou antes do isolamento social. Em 2019, os pesquisadores Fernando Mazzilli Louzada e Jefferson Souza Santos avaliaram os padrões de sono de 1 554 adolescentes entre 14 e 19 anos. Eles tinham aulas a partir das 7h30.
Os experts perceberam que o cochilo da tarde era uma prática comum para 58% dos entrevistados. Como essa soneca se mostrava muito prolongada na maioria das vezes, acabava atrapalhando o sono da noite. Com isso, reduzia o descanso dos jovens para uma média de sete horas, quando o mínimo ideal é de oito horas.
Na pandemia, Louzada e Santos buscaram parte desses estudantes para fazer uma nova análise e traçar uma comparação. Eles notaram que, com a mudança na rotina, a média de sono dos adolescentes aumentou em duas horas. Já a soneca deixou de ser tão essencial: foi relatada por pouco mais de 20% deles.
Sem a pressão de acordar cedo para se deslocar para a escola e conseguindo administrar melhor o tempo, os adolescentes puderam alinhar suas necessidades vitais com os estudos.
Apesar de os hábitos de sono variarem entre as pessoas - algumas são mais diurnas e outras, mais noturnas - o adolescente tem a tendência de madrugar.
A puberdade, os costumes mais noturnos, como o de sair com amigos, além do uso de telas à noite fazem com que a maioria dos jovens vá mais tarde para a cama , relata Santos, que é biólogo e integra o Laboratório de Cronobiologia Humana da UFPR.
+ LEIA TAMBÉM: Sinais de depressão e ansiedade dobraram em jovens na pandemia, diz estudo
Esse comportamento madrugador e a obrigação de despertar cedo para estudar prejudicam o desempenho escolar e contribuem para deficiências emocionais e até comportamentos de risco. Os adolescentes passam a adotar diferentes estratégias para driblar a sonolência, como consumir cafeína, tomar bebidas energéticas e tirar cochilos inadequados , exemplifica Santos.
Continua após a publicidade


Essa descoberta reforça que o horário de começo das aulas desempenha papel essencial para desencadear a restrição crônica do sono em adolescentes , completa Louzada, que é psicólogo.
Cabe ressaltar que problema do cochilo identificado na análise é que ele passa do limite considerado saudável. Um breve descanso de até 60 minutos logo após o almoço pode, sim, ser benéfico para a concentração e a memória. No entanto, quando vai além desse intervalo e acontece próximo do período noturno, aí o hábito tende a ser prejudicial.
Como combinar a escola com o sono adequado?
A Fundação Nacional do Sono recomenda de oito a dez horas de descanso por dia para adolescentes, considerando aspectos cognitivos, emocionais e de saúde física.
Para adaptar os estudantes a essa realidade, é preciso discutir a possibilidade de um horário de início escolar mais tardio com educadores, pais e formuladores de políticas públicas.
Com base em estudos já finalizados em outros países, a sugestão seria atrasar em uma hora, no mínimo, o começo das aulas, o que aconteceria por volta das 8h30.
Santos entende que esse movimento está apenas iniciando. “Essas mudanças mexem com a logística das famílias, gerando transtornos. Mas novas ideias podem surgir, como a de inverter os turnos do ensino médio com o do fundamental. Afinal, as crianças mais novas dormem mais cedo e têm mais facilidade de pular da cama”, explica.
Louzada reconhece que o estudo tem algumas limitações, como a falta da avaliação da saúde mental desses adolescentes durante a pandemia de Covid-19. Entretanto, para ele, a função principal da pesquisa foi coletar dados que permitiram identificar mudanças nos hábitos de sono dos entrevistados nesse período.
Os resultados ajudaram a entender o quanto os comportamentos mudaram nesse momento atípico, e as melhorias observadas revelam a inadequação do horário tradicional de início das aulas , afirma.
RelacionadasFamíliaSono ruim na infância pode levar a transtorno psiquiátrico na adolescência7 ago 2020 - 10h08FamíliaNeurocientista adverte: as telas são um perigo para os nossos filhos6 out 2021 - 12h10Bem-EstarTendência ao cochilo pode ser genética, aponta estudo17 abr 2021 - 13h04
Continua após a publicidade




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM