GERAIS

Múmias com "línguas" de ouro são encontradas em tumbas de 2,5 mil anos no Egito

Em escavação no sítio arqueológico Oxyrhynchus, no Egito, arqueólogos espanhóis encontraram tumbas de 2,5 mil anos contendo restos mortais de duas pessoas com "línguas" de ouro. A descoberta, feita na província de Minya, foi anunciada pelo Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito no último domingo (5). No lugar das línguas das múmias, estavam artefatos feitos de folhas de ouro no formato no órgão. Esses amuletos eram utilizados por embalsamadores no Antigo Egito porque permitiam, segundo as crenças locais, que o falecido falasse com Osíris, deus do submundo, após a morte. Segundo Esther Pons Mellado, pesquisadora da Universidade de Barcelona e uma das diretoras da missão arqueológica, objetos assim só foram encontrados anteriormente em escavações em Alexandria, também no Egito. (Você pode ler sobre essa descoberta nesta matéria da Super.) As descobertas também são raras por outro motivo: é comum que arqueólogos se deparem com tumbas que já foram abertas por saqueadores. Mas esse não era o caso da tumba encontrada agora. RelacionadasHistóriaPirâmide mais antiga do Egito reabre após 14 anos de restauração11 mar 2020 - 17h03HistóriaAntigo cemitério para animais de estimação é encontrado no Egito1 mar 2021 - 18h03HistóriaA história peculiar da múmia Takabuti, esfaqueada há 2.600 anos28 jan 2020 - 18h01 Ela abrigava um sarcófago masculino com restos mortais mumificados, além de uma série de itens como vasos canópicos - usados para guardar órgãos retirados do morto durante o processo de mumificação -, um amuleto de escaravelho e 400 estatuetas de faiança (uma espécie de cerâmica) esmaltada.
Havia 400 estatuetas na tumba encontrada em Oxyrhynchus.Egyptian Ministry of Tourism and Antiquities/Divulgação Continua após a publicidade As estatuetas em forma de sarcófago, chamadas shabti (ou ushabti, mostradas acima), são encontradas em muitos túmulos egípcios antigos. Elas representam servos, que substituiriam a pessoa falecida em seus trabalhos no mundo pós-morte. A outra tumba encontrada nas escavações abrigava um sarcófago de mulher. Ao lado do corpo mumificado, também havia amuletos e uma figura do deus Hórus. Além da língua de ouro encontrada na boca da mulher, havia outra menor, que se acredita ter sido colocada em uma criança.
“Línguas” de ouro eram artefatos usados para que a capacidade de falar permanecesse após a morte.Egyptian Ministry of Tourism and Antiquities/Divulgação Os responsáveis pela missão arqueológica estão estudando as inscrições nas tumbas para tentar revelar a identidade das pessoas mumificadas. As tumbas datam da 26ª dinastia egípcia (664-525 aC), período em que Oxyrhynchus era conhecida como Per-Medjed. Era uma importante cidade egípcia, que conectava rotas de caravanas a um porto no canal Bahr Yussef, permitindo a navegação de pessoas e mercadorias rumo ao norte, até o Mar Mediterrâneo. A partir da conquista do Egito por Alexandre, o Grande (em 332 a.C.), a cidade atraiu muitos colonos gregos e recebeu o nome de Oxyrhynchus. A cidade provavelmente se tornou a segunda maior do Egito e manteve sua importância até a conquista árabe, em cerca de 640 d.C., quando começou a declinar. As escavações em Oxyrhynchus são lideradas pela Universidade de Barcelona, em parceria com a Organização de Antiguidades Egípcias, e começaram em 1992. Continua após a publicidade




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



GERAIS  |   01/07/2022 17h00





GERAIS  |   01/07/2022 16h00