GENTE - GERAIS | POR POUCO

'Era para ser a gente', diz casal que quase remarcou passeio de lancha em Capitólio para o dia da tragédia
Rafael e Karina afirmam que foram com a mesma empresa de lanchas que está com funcionários desaparecidos após o deslizamento de pedras no Lago de Furnas.


Rafael e Karina fizeram o passeio lancha no local do acidente um dia antes da queda do paredão em Capitólio. Foto: Rafael Evaristo/ Arquivo Pessoal

Rafael e Karina fizeram o passeio lancha no local do acidente um dia antes da queda do paredão em Capitólio. Foto: Rafael Evaristo/ Arquivo Pessoal

Dois moradores de Indaial, no Vale do Itajaí, estiveram no mesmo local onde ocorreu um deslizamento de pedras no Lago de Furnas, em Capitólio, no Centro-Oeste de Minas, na sexta-feira 7. Contudo, o casal conta que quase transferiu o passeio para o mesmo dia e horário do acidente, no sábado 8, em razão da chuva.

 

Falei bem veementemente para ela [Karina] que se fosse no outro dia [no sábado], eu não iria mais porque lá ficava longe do hotel. Foi uma coisa de Deus. A gente ainda não está acreditando porque era para ser a gente", afirma Rafael.

O dentista Rafael Evaristo Ferreira dos Santos, de 35 anos, e a esposa Karina Roczanski, 28, afirmam que empresa que contrataram para realizar o passeio foi a mesma que teve uma das lanchas atingidas pelas rochas. O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmou 10 mortes pelo deslizamento.

O casal está em uma viagem de férias com a filha Isis, de nove meses, e outros quatro parentes.

Rafael afirma que no sábado entrou em contato com um funcionário que conheceu no dia da viagem deles e soube que havia pessoas da empresa desaparecidas após o acidente.

"Foi no mesmo horário [em que fomos no dia anterior], a equipe era a mesma. A chance de sermos nós era muito grande se tivéssemos adiado" concluiu o catarinense.

Um dos cânions atingiu quatro embarcações, com pelo menos 34 pessoas, no sábado 8, e causou 10 mortes. As vítimas do acidente estavam em uma lancha chamada "Jesus". As equipes de buscas não trabalham mais com a possibilidade de desaparecidos.

Chuva quase fez casal mudar os planos

Na sexta-feira, Rafael e Karina chegaram aos cânions de Capitólio pela manhã, enquanto os demais integrantes da família ficaram no hotel. Em razão da chuva, a empresária chegou a sugerir ao marido que deixassem o trajeto de lancha para o dia seguinte. Contudo, Rafael não concordou.

Pela manhã, o casal fez passeio na Serra da Canastra e durante a tarde realizaram o percurso pelos cânions de lancha, inclusive passando no local onde aconteceu o acidente.

 
O dentista conta que o local onde a rocha caiu fica no início do passeio de lancha. É um espaço em que as embarcações param para que os turistas tirem fotos das cachoeiras. Segundo ele, as lanchas ficam com músicas em volume alto para divertir as pessoas.

O casal conta que essa foi a primeira vez que estiveram em Capitólio. A família saiu de carro de Santa Catarina.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM