GERAIS

Mary Toft: a mulher que convenceu a todos de que havia dado à luz a coelhos

Na primeira metade do ano de 1726, a camponesa Mary Toft, moradora do distrito de Guildford em Londres, na Inglaterra, mobilizou toda sua comunidade com uma história que chamou a atenção até mesmo dos mais céticos. Com apenas 24 anos, a jovem tornou-se um misterioso caso da medicina da época, afirmando ter dado à luz a coelhos após sofrer uma gestação terrivelmente dolorosa e anormal.

Casada com o jornaleiro James Toft e mãe de três crianças -- Mary, Anne e James --, Mary Toft levava a vida normalmente como trabalhadora em uma fábrica de Surrey. Precisava cumprir com as tarefas domésticas e industriais mesmo durante suas gestações e pós-parto, visto que na época as mulheres deviam permanecer prestando serviços para os grandes operadores de máquinas, mesmo grávidas.

O início das complicações deu-se em agosto de 1726, quando Mary percebeu que teria uma quarta criança e que seu corpo já não estava respondendo mais da mesma forma que antes. Foi então que, já afastada de todos os ofícios por conta de dores insuportáveis que a impediam até mesmo de ficar em pé, a jovem camponesa passou por algo inesperado e igualmente sinistro: pedaços de carne e sangue foram expelidos espontaneamente de seu útero.

Sem acreditar no que a britânica estava vivenciando, parteiros e médicos locais acabaram indo visitá-la, de modo a verificarem se, de fato, tudo que estava chegando a seus ouvidos era verdade. Ao chegar na casa dos Toft, os especialistas foram surpreendidos por mais objetos sendo liberados e perceberam, além do conteúdo que já havia saído, fragmentos similares a ossos de enguia, tripas de gato e partes de coelhos.

Atestado médico real

John Howard, médico do condado e primeiro doutor a presenciar o anormal evento, notificou o rei George I e exigiu a visita de um especialista da realeza para confirmar o que seus olhos custavam a acreditar. Poucos dias após a convocação, os cirurgiões Nathaniel St. Andre e Cyriacus Ahlers puderam observar presencialmente o caso de Mary e comprovaram, em nota pública, que ela havia sido mãe de quatro coelhos saudáveis, mas que falecendo no instante em que saíam das trompas de falópio.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM