GERAIS

Como era a pirâmide social do Egito Antigo?

O Egito Antigo costuma fascinar as pessoas e muita dessa admiração se deve às pirâmides e aos mistérios que elas esconderam durante séculos. Contudo, o maior tesouro egípcio é a sua história.

A civilização egípcia se organizava de forma bastante rígida, sendo que cada classe social tinha missões, objetivos e papeis muito claros na comunidade. Assim como outras civilizações da antiguidade, a religião egípcia politeísta era a peça central dessa pirâmide social que tinha no topo a figura do faraó.

1. Faraó


(Fonte: Mega Curioso)

O faraó era o rei do Egito. Além de deter todo o poder político, ele também concentrava o poder religioso. Portanto, podemos concluir que o Egito Antigo era um tipo de monarquia teocrática -- isso significa que o poder monárquico estava diretamente ligado ao religioso.

Sendo assim, o faraó era visto pelos egípcios como uma divindade. É importante lembrarmos que os egípcios eram politeístas, ou seja, cultuavam vários deuses -- sendo Rá, deus do Sol, o mais importante.

2. Sacerdotes e nobres


(Fonte: Mega Curioso)

Em uma sociedade teocrática, é natural que os sacerdotes tivessem muito destaque e é por isso que esses religiosos estão logo abaixo do faraó. Ao contrário de muitas outras sociedades antigas, as mulheres também podiam exercer o papel de sacerdotisas, sem nenhuma distinção dos homens.

Os sacerdotes desempenhavam diversos trabalhos religiosos no Egito Antigo, como casamentos e funerais, por exemplo. Além disso, cabia aos sacerdotes o trabalho de organizar os templos e festivais religiosos e, também, assumiam o papel de curandeiros.

Sacerdotes e sacerdotisas podiam constituir família, mas seus filhos não eram automaticamente sacerdotes, pois o processo para se tornar um religioso era demorado e exigia muita dedicação dos candidatos. Já os nobres eram pessoas que tinham alguma importância política, como administradores de determinadas regiões ou familiares do faraó.

3. Militares


(Fonte: Mega Curioso)

A história da humanidade é cercada por guerras e invasões. Não por acaso, os soldados sempre tiveram uma posição de destaque nas pirâmides sociais de todo o mundo -- e no Egito Antigo não seria diferente.

Assim como nos dias de hoje, na categoria militar existem subclassificações, de acordo com a hierarquia de comando -- coronel, tenente, major... Isso também ocorria no Antigo Egito.

4. Escribas


(Fonte: Mega Curioso)

Os escribas dominavam a escrita egípcia, composta por símbolos chamados de "hieróglifos" e "demóticos". Esses profissionais registravam a história da sociedade e do faraó nos papiros -- tipo de papel egípcio feito a base de fibra vegetal.

Dessa forma, gerações futuras poderiam entender os principais fatos da história egípcia, perpetuando a cultura desse povo. Também era responsabilidade dos escribas manter o controle dos gastos e dos impostos devidos ao faraó.

5. Artesãos e artistas


(Fonte: Mega Curioso)

Em um mundo sem fábricas, absolutamente tudo precisava ser feito à mão. Objetos usados para cozinhar, adereços, ferramentas de trabalho, etc. Criar essas peças, no entanto, não era um trabalho fácil -- e, por esse motivo, os artesãos e os artistas tinham um certo destaque na pirâmide social egípcia.

6. Camponeses


(Fonte: Mega Curioso)

Um dos grandes desafios da civilização egípcia era conseguir suprir a população com alimentos -- principalmente em um período de agricultura pouco desenvolvida e em um ambiente hostil como a região desértica.

É claro que o rio Nilo facilitava esse trabalho, pois as terras em torno de suas margens eram férteis e, após o período de cheia, aumentavam de área. Mesmo assim, o trabalho dos camponeses não era simples -- e nem muito reconhecido já que estavam acima apenas dos escravos na pirâmide social, quase na base.

7. Escravos


(Fonte: Mega Curioso)

Os escravos eram, normalmente, presos de guerra. Portanto, eram pessoas de origem não egípcia. A esses indivíduos cabiam os piores trabalhos, como trabalhar nas pedreiras que forneciam materiais para a construção de grandes edificações, como as pirâmides.

A mobilidade social no Antigo Egito era praticamente nula. Desse modo, uma pessoa que nascia escrava, camponesa ou artesã dificilmente ascenderia. Tornar-se nobre era praticamente impossível, pois a nobreza era hereditária.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



GERAIS  |   23/05/2022 06h19





GERAIS  |   20/05/2022 12h40