GERAIS

O Nobel de Física que deu aulas no Brasil - e entrou para uma escola de samba

Fazia sentido, mas, se ele pudesse prever o futuro, sua escolha teria sido diferente. Ele ainda não imaginava, na época, que passaria os anos seguintes brigando com o português enquanto dava aulas no Rio de Janeiro.

Na mesma conversa, Lattes sugeriu que Feynman marcasse suas aulas no período da manhã (ministradas, segundo ele, em uma língua enigmática chamada "português de Feynman"). Dessa forma, o gringo poderia aproveitar a tarde na praia. Feynman deu aula no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas por seis semanas antes de voltar aos Estados Unidos.

Mas deve ter sentido falta do jeitinho brasileiro. Dois anos depois, voltou ao país a convite do físico José Leite Lopes para dar aulas na Universidade Federal do Rio de Janeiro (que na época se chamava Universidade do Brasil), entre setembro de 1951 e maio de 1952. E nunca recebeu o salário de professor. O amigo Lattes deu um jeito de sustentar Feynman com o dinheiro do CBPF.

Gênio do carnaval


Foi nessa segunda temporada que Feynman se envolveu com o Carnaval carioca. E se apaixonou pela festa. Conheceu o porteiro do prédio em que um funcionário da embaixada americana morava. O zelador era compositor de uma escola de samba chamada Farsantes de Copacabana, e logo levou Feynman para ensaiar num prédio em construção. Seu instrumento musical não podia ser mais prosaico: uma frigideira. O utensílio doméstico era tocado por ele como um tamborim.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM