GERAIS

Alcatraz: como era a vida na penitenciária que ninguém escapava

Localizada a 2,01 quilômetros ao largo da costa de São Francisco, Califórnia (EUA), cercada pelas fortes correntezas da Baía de São Francisco, o edifício onde já foi a Penitenciária Federal de Alcatraz, fortificado todo em aço e concreto, foi feito para que ninguém pudesse escapar.

Em um lugar inóspito e preso em uma bolha de umidade, a prisão recebeu os detentos mais perigosos e problemáticos dos EUA, como Al Capone, Machine Gun Kelly, Alvin Karpis, Tommy Silverstein e Whitey Bulger. Aqueles que terminavam lá eram mafiosos, assassinos em série, estupradores, ladrões, fugitivos ou psicopatas.

Desde 11 de agosto de 1934, quando foi convertida em prisão, até o encerramento de suas atividades em 1963, Alcatraz foi lar de 1.545 homens, sendo que não mais de 250 prisioneiros ocuparam a ilha de uma vez -- que tinha capacidade para 336 prisioneiros. Em 29 anos de operação, apenas 8 pessoas foram assassinadas por detentos, 5 homens cometeram suicídio e 15 morreram de doenças naturais.

O tempo médio de estadia em Alcatraz era de 8 anos, sendo que apenas um homem saiu em liberdade condicional na história da instituição. Portanto, sabendo que ficariam a vida toda, 36 prisioneiros tentaram escapar em várias tentativas. Dois deles conseguiram sair da ilha, mas foram capturados; 7 foram baleados e mortos tentando escapar; 2 se afogaram e 5 permanecem desaparecidos.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM