ESPORTES

LaLiga 2 e Série B: veja diferença de orçamento entre Valladolid e Cruzeiro



Clubes dos quais Ronaldo é acionista majoritário, Real Valladolid e Cruzeiro têm realidades financeiras distintas e estão inseridos em mercados muito diferentes. Isso se reflete no orçamento que cada um teve para a disputa da segunda divisão nesta temporada. Em LaLiga 2, o time espanhol teve o segundo maior teto salarial. Já a Raposa tem o orçamento mais modesto entre os grandes da Série B.

Para a temporada, LaLiga alterou os tetos de gastos dos clubes das duas divisões e definiu que o Real Valladolid teria direito a um limite de investimento de 29 milhões de euros (R$ 147 milhões), o que não chegou a ser atingido.

O teto estabelecido pela LaLiga inclui o valor máximo que o clube pode gastar com salários de jogadores, comissão técnica e categorias de base.


Nesta edição da LaLiga 2, o teto salarial geral estabelecido pela organização foi de 252 milhões de euros (R$ 1,28 bilhão). O Eibar foi o clube com o maior limite de gastos (30 milhões de euros/R$ 152 milhões), mas ainda assim terminou a competição em terceiro, sem o acesso direto, atrás de Almería e Real Valladolid.

Para subir, o Eibar terá que disputar o playoff com Las Palmas, Tenerife e Girona.

Na Espanha, o teto de gastos é baseado no que os clubes arrecadam. Cada agremiação ou Sociedad Anónima Deportiva (SAD, similar à SAF, no Brasil) propõe o seu limite de investimento, que é validado ou não pela LaLiga. É essa regulação que garante a estabilidade financeira dos participantes.

De acordo com Ronaldo, a tendência é que o Real Valladolid tenha um orçamento de 55 milhões de euros na primeira divisão para a temporada 2022/2023. Isso representa R$ 280 milhões. O valor exato será definido nesta quarta-feira (1), em reunião entre o Fenômeno e a direção executiva do clube.



Orçamento do Cruzeiro na Série B


Quando a gestão de Ronaldo assumiu o Cruzeiro, em dezembro passado, uma das primeiras providências foi reduzir o orçamento para a temporada na Série B de R$ 90 milhões para R$ 35 milhões. O valor anterior, estipulado pelo presidente da associação, Sérgio Santos Rodrigues, foi considerado fora da realidade.

À época, Ronaldo explicou que o Cruzeiro deixaria para trás a política de gastos acima do faturamento. A redução drástica do orçamento para o futebol em 2022 tinha relação com a previsão de receitas estimada em R$ 60 milhões.

Assim que anunciamos a compra da SAF, começamos a mergulhar no que era o orçamento do ano do clube. A primeira coisa que encontrei foi um orçamento de R$ 90 milhões com uma receita de R$ 60 milhões, que, inclusive, está gasta. Baixamos o orçamento para R$ 35 milhões, quase três vezes menos. É um momento de reações impopulares, mas que são extremamente necessárias para que o clube volte a ser grande como não deveria ter deixado de ser

, justificou o acionista majoritário naquela ocasião.

O orçamento de R$ 35 milhões, que vem sendo cumprido à risca, prevê pagamentos de salários de jogadores, comissão técnica e funcionários; direitos de imagem, luvas, comissões, negociações e custos operacionais. 

Graças a essa mudança, os salários voltaram a ser pagos em dia na Toca.

Entre os clubes com maior potencial de acesso à Série A, o Cruzeiro é o que tem o orçamento mais baixo. Ainda assim, lidera com folga a Série B, com 22 pontos.

O Grêmio, quinto colocado, estipulou o custo de atividade do desporto em R$ 213,7 milhões nesta temporada, sendo R$ 147,2 milhões com remunerações do futebol profissional e do administrativo.

Vasco, vice-líder, despenderá R$ 75 milhões com salários e encargos em 2022, contando futebol e administrativo.

Sport, quarto colocado, tem orçamento de R$ 59 milhões este ano. Já o Bahia, terceiro colocado, também se concentra em enxugar gastos este ano. Dos R$ 95,6 milhões esperados de faturamento, R$ 52 milhões irão para o futebol.

Diferentemente do que ocorre na Espanha, no Brasil não há uma entidade para regular os gastos dos clubes que disputam o Campeonato Brasileiro. Essa será uma das funções da Libra, liga que deverá assumir a gestão dos torneios a partir de 2025.

Principais orçamentos da LaLiga2 2021/2022


  • Eibar - teto de 30,15 milhões de euros (terminou em 3º - playoff)
  • Real Valladolid - teto de 29 milhões de euros - gastou 22 milhões (terminou em 2º)
  • Leganés - teto de 26,4 milhões de euros (terminou em 12º)
  • Huesca - teto de 18,6 milhões de euros (terminou em 13º)
  • Málaga - teto de 12,7 milhões de euros (terminou em 18º)
  • Real Sociedad B - teto de 12,4 milhões de euros (terminou em 20º)
  • Las Palmas - teto de 11,9 milhões de euros (terminou em 4º - playoff)
  • Almería - teto de 10,3 milhões de euros (terminou em 1º)
  • Sporting - teto de 9,7 milhões de euros (terminou em 17º)
  • Oviedo - teto de 9,5 milhões de euros (terminou em 7º)
  • Tenerife - teto de 9,1 milhões de euros (terminou em 5º - playoff)
  • Ibiza - teto de 7,6 milhões de euros (terminou em 15º)
  • Alcordón - teto de 7,1 milhões de euros (terminou em 22º)
  • Fuenlabrada - teto de 6,6 milhões de euros (terminou em 21º)
  • Cartagena - teto de 6,1 milhões de euros (terminou em 9º)
  • Ponferradina - teto de 5,8 milhões de euros (terminou em 8º)
  • Zaragoza - teto de 5,7 milhões de euros (terminou em 10º)
  • Mirandes - teto de 5,7 milhões de euros (terminou em 14º)
  • Burgos - teto de 5,5 milhões de euros (terminou em 11º)
  • Lugo - teto de 4,8 milhões de euros (terminou em 16º)
  • Amorebieta - teto de 4,6 milhões de euros (terminou em 19º)
  • Girona - teto de 3,9 milhões de euros (terminou em 6º - playoff)

Principais orçamentos da Série B 2022


  • Grêmio - R$ 147,2 milhões (atual 5º colocado)
  • Vasco - R$ 75 milhões (atual 2º colocado)
  • Sport - R$ 59 milhões (atual 4º colocado)
  • Bahia - R$ 52 milhões (atual 3º colocado)
  • Cruzeiro - R$ 35 milhões (atual 1º colocado)
  • Ponte Preta - R$ 27,9 milhões (atual 16º colocado)
  • Guarani - R$ 19,3 milhões (atual 20º colocado)
  • Criciúma - R$ 10,1 milhões (atual 15º colocado)







COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM