GERAIS

Placa grega de dois mil anos é uma espécie de "anuário escolar"

Uma placa de mármore da Grécia Antiga está na coleção do Museu Nacional da Escócia há mais de cem anos, mas o significado de suas inscrições era um mistério. Agora, o projeto inglês Attic Inscriptions descobriu que se trata de uma lista de jovens atenienses recém-formados.

Os jovens da lista tinham acabado de concluir um ano de estudos destinado a prepará-los para a vida adulta, chamado ephebate - palavra semelhante a éphebos (ou "efebo", em português), que designava adolescentes ou jovens adultos na Grécia Antiga.

Acredita-se que a prática surgiu no século 4 a.C. e persistiu pelo menos até o século 3 d.C. Inicialmente, consistia em um treinamento militar oferecido aos efebos, mas a partir do século 1 d.C. passou a incluir estudos filosóficos e literários.

Relacionadas
Mito: a acústica dos anfiteatros da Grécia antiga não é milagrosa5 fofocas de Heródoto sobre a Grécia AntigaEm Roma, escritores-fantasma já escreviam discursos sob encomenda para políticos
Nessa época, não-cidadãos atenienses (como estrangeiros e ex-escravos) começaram a participar do ephebate também. A placa, que data justamente desse período, é uma das primeiras evidências dessa inclusão.

No século 1 d.C., Atenas continuava a funcionar como uma cidade-estado independente, apesar de ter sido conquistada pelo Império Romano em 146 a.C., assim como o restante da península grega. As inscrições desse período são relativamente raras: a placa recém-traduzida é uma das vinte sobreviventes.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM