GERAIS

Como a retirada dos testículos afeta homens e animais?

Para o homem, apenas a ideia de retirar um ou ambos os testículos já é algo aterrador. No entanto, o procedimento para remover essa parte do corpo masculino pode ser necessária por diversos fatores -- os mais comuns envolvem questões de saúde.

O que acontece com o corpo masculino com a remoção dos testículos?

Se por algum motivo for preciso retirar apenas um testículo, normalmente, a função sexual do homem não é prejudicada. O testículo que permanece consegue produzir esperma e testosterona o suficiente para que ele possa manter suas funções sexuais e fertilidade.

Mas se antes do procedimento os níveis de testosterona já eram baixos, é bem provável que fique ainda menor após a cirurgia, sendo que alguns dos homens desse grupo podem precisar passar por terapia de reposição de testosterona.

Já quando ambos os testículos são removidos a situação fica mais complicada. Sem os testículos, o corpo masculino se torna incapaz de produzir testosterona. Os sintomas mais recorrentes nesse caso envolvem dificuldades de ereção e perda do interesse em atividades sexuais. Geralmente, homens que retiram ambos os testículos precisam de reposição de testosterona.

No entanto, muitos homens que precisam passar por uma cirurgia desse tipo optam por armazenar seu esperma antes do procedimento. Como os espermatozoides permanecem congelados é possível ter filhos biológicos no futuro graças a possibilidade da fertilização in vitro.

O que está envolvido na castração animal?

A remoção cirúrgica dos testículos de um animal tem objetivos específicos. E, claro, o bicho sente praticamente as mesmas consequências negativas observadas em um homem. Ou seja, como a fonte primária de testosterona foi retirada, ele começa a apresentar mudanças no desejo sexual e nos comportamentos relacionados ao hormônio.

Por outro lado, quando a castração é feita no momento certo, é possível proteger o animal contra alguns problemas de saúde, como tumores do períneo relacionados a hormônios, aumento da próstata e câncer testicular.

Contudo, o procedimento pode levar o animal à letargia, a desenvolver um quadro de obesidade e a envelhecer precocemente.

A castração na história

Os seres humanos já castraram uns aos outros pelas mais variadas razões: punição, expiação, eliminação dos rivais, ritos de passagem ou simplesmente para obter autodisciplina.

Os primeiros cristãos se castravam para provar sua devoção. Nos séculos XI e XII, os normandos castravam os inimigos para afirmar seu domínio.

No século XVI, milhares de garotos italianos foram castrados para conseguirem cantar com voz alta e fina por toda a vida. Isso começou depois que o Papa Inocêncio XI, em 1686, proibiu as mulheres de cantar na igreja.

No século XVIII a seita russa Skoptsy, de cristãos ortodoxos, também praticavam a castração. Seu líder, André Ivanov, castrou a si mesmo e 13 discípulos em 1757. Foi preso e enviado à Sibéria. Mas mesmo após sua morte seus seguidores mantiveram o culto à castração.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM