POLÍTICA | ABSURDO

EUA anunciam proibição da entrada de viajantes vindos do Brasil
Presidente americano barra brasileiros, embora EUA liderem número de casos da pandemia. Decreto de Donald Trump passa a valer a partir do dia 29 de maio.




Alan Santos / PR

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou um alerta que fizera por mais de uma vez e anunciou neste domingo restrições a voos do Brasil por causa do descontrole do coronavírus no país.

A decisão foi divulgada por meio de um decreto assinado pelo próprio presidente americano neste domingo. De acordo com o decreto, cidadãos não americanos que estiveram no Brasil pelos últimos 14 dias estão proibidos de ingressar nos EUA. A decisão é válida a partir da próxima sexta-feira, dia 29 de maio.
 

Hoje, o presidente tomou uma ação decisiva para proteger nosso país suspendendo a entrada de etrangeiros que estiveram no Brasil durante o período de 14 dias antes de buscarem admissão nos EUA. Até o dia 23 de maio de 2020, o Brasil tem 310,087 casos confirmados de Covid-19, o terceiro maior número de casos confirmados no mundo. A ação de hoje vai ajudar a garantir que estrangeiros que estiveram no Brasil não se tornem uma fonte adicional de infecções em nosso país', diz o comunicado divulgado pela Casa Branca.

O texto afirma que a decisão nao se aplica ao fluxo comercial entre os dois países, que será mantido.

Havia, antes da decisão, apenas nove voos semanais em operação entre Brasil e EUA, todos para a Flórida e para Houston, no Texas.

Há algumas exceções no decreto, que incluem americanos e residentes permanentes nos Estados Unidos.

A medida foi precedida por diversas advertências. Já no final de abril, o presidente americano disse, durante reunião com o governador da Flórida, que estava considerando a ideia de suspender os voos provenientes da América Latina, e citou especificamente o Brasil.

 
O Brasil se tornou o segundo país do mundo em casos da Covid-18 na sexta-feira, perdendo apenas para os Estados Unidos, e agora tem mais de 347 mil pessoas infectadas pelo vírus e mais de 22 mil mortes, segundo o Ministério da Saúde. A situação brasileira fez que com a Organização Mundial da Saúde afirmasse que América do Sul se tornou o novo epicentro global da pandemia.

Nos EUA, são mais de 1,6 milhão de casos e mais de 97 mil mortes e, embora a pandemia comece a ser contida em estados que impuseram medidas de isolamento social rígidas, como Nova York e Califórnia, a doença continua se alastrando pelo interior.

Na terça-feira, Trump disse que os Estados Unidos ainda consideravam restringir voos e a entrada de brasileiros devido à expansão da Covid-19. O presidente americano então declarou que não queria "pessoas vindo para cá e infectando nosso povo".

Neste domingo, o conselheiro de Segurança Nacional Robert O'Brien havia adiantado ao programa "Face the Nation", da rede de TV CBS, que haveria uma decisão sobre suspender a entrada de viajantes que chegam do Brasil.

— Esperamos que seja temporário, mas, devido à situação no Brasil, tomaremos todas as medidas necessárias para proteger o povo americano — disse O'Brien, acrescentando que os brasileiros estão "passando por um mau momento".




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM